O prefeito Rafael Greca esteve esta semana em Brasília negociando com órgãos federais a liberação de recursos para projetos de grande porte para Curitiba, bem como novos financiamentos e cessão de um terreno da União para o município. A Prefeitura de Curitiba está sem dinheiro para cobrir as próprias despesas, o que pode marcar a gestão de Greca com falta de realizações.
“Foi uma viagem de trabalho muito produtiva, estamos destravando processos para trazer a Curitiba os projetos que a cidade precisa para entrar num ciclo virtuoso de obras”, disse o prefeito. “Agradeço a Deus a superação das dificuldades, nossa Prefeitura está funcionando e a partir de agora só vamos melhorar.”
Acompanhado do secretário de Governo Municipal, Luiz Fernando Jamur, Greca participou de reuniões no ministérios das Cidades e da Justiça, na Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT) e no Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE).
Greca solicitou ao ministro das Cidades, Bruno Araújo, que sejam autorizadas as licitações para continuidade da Linha Verde Norte, para implementação do terminal Tatuquara e de trincheira na avenida Nossa Senhora Aparecida, além de reforma do terminal Vila Oficinas. Os recursos necessários somam R$ 109,6 milhões, a serem bancados pela União como parte do PAC Mobilidade.
Outro grande projeto que Greca trabalha para viabilizar – e que foi alvo de reunião na ANTT – é o binário entre as ruas Germano Meyer e Camões, nos bairros Jardim Botânico e Ahú. É uma ação de grande porte, que exige recursos de aproximadamente R$ 25 milhões, e que inclui, entre outras coisas, quatro cruzamentos com a via férrea e três travessias de drenagem.
Ao ministro da Justiça, Torquato Jardim, o prefeito solicitou a cessão do terreno onde está instalada a Casa da Mulher Brasileira de Curitiba, no Cabral. Trata-se de um projeto de atendimento a mulheres em situação de violência da qual fazem parte os governos federal, estadual e municipal.
A estrutura é administrada pelo município, e a cessão do terreno resultaria em maior agilidade na gestão da Casa, que em pouco mais de um ano de funcionamento atendeu 10 mil mulheres.
O prefeito ainda pleiteou um financiamento de R$ 25 milhões da União. Trata-se de um dinheiro que o município desembolsou em Centros Municipais de Educação Infantil (CMEIs). Posteriormente, o governo federal criou uma linha de financiamento para bancar contrapartidas dos municípios em investimentos federais. Como Curitiba já havia aplicado esse dinheiro nos CMEIs, busca agora uma compensação a fim de usar os recursos em outras ações do município.